O inverno e a primavera da Inteligência Artificial

Em 2006, fiz a cadeira de Redes Neurais da UFRJ, como parte do meu mestrado em Processamento Digital de Sinais, motivado pelas tais redes que imitavam o cérebro humano, aprendiam sozinhas e que poderiam nos superar um dia.

Achei decepcionante, na época. As redes pareciam mais uma curiosidade, com pouca aplicação prática, do que algo realmente útil.

Alguns motivos:

– Só conseguíamos criar redes de três, cinco camadas, com poucos neurônios por camada (shallow network)

– Aplicações restritas à interpolação de funções

– O software Estatística tinha algo pronto para redes pequenas. Qualquer aplicação mais complexa, seria necessário pegar toda a matemática e implementar do zero.

Os resultados frios e estéreis eram porque, em 2006, eu estava em pleno “Inverno da Inteligência Artificial”.

Contudo, 10 anos depois, o campo era quente e fértil de inovações: redes de centenas de camadas (daí o termo deep neural network), milhares de neurônios por…

Ver o post original 1.411 mais palavras

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s