Como codificar as obras completas de Machado de Assis num único número

É possível codificar as obras completas de Machado de Assis num único número.

Este número terá valor entre zero e um.

Isto não quer dizer que tal número terá um bit, ou que a memória para armazenar tal número seja pequena.

Comecemos com a codificação em binário.

Se temos 26 letras no alfabeto, 5 bits binários são suficientes para descrever todas as letras (2⁵ = 32, que é maior do que 26). Acrescentemos o espaço em branco como o primeiro da lista.

Assim, temos:

Ignoremos letras maiúsculas e caracteres especiais, a bem da simplicidade.

Desta forma, o título “Dom Casmurro” seria codificado como:

00100011110110100000001100001100110110110101100101001001111

Para decodificar a mensagem, basta dividi-la em pedaços de 5 bits, consultar a tabela e anotar a letra correspondente.

00100 01111 01101 0000 00011 00001 10011 01101 10101 10010 10010 01111

E como colocar tudo isto dentro de um único número?

Copie toda o número obtido e cole após um zero e vírgula.

0,00100011110110100000001100001100110110110101100101001001111

Certamente isto é um número, embora possivelmente muito longo.

É possível continuar a utilizar a mesma técnica para codificar o livro Dom Casmurro inteiro. E continuar, com Helena, A Cartomante, e todas as obras de Machado de Assis, acrescentando zeros e uns à direita do número obtido.

Vamos chamar tal número mágico de “número de Capitolina”, em homenagem à bela, sensual e misteriosa personagem com olhos de cigana oblíqua e dissimulada.

Por que parar em Machado? Que tal incluir toda a literatura brasileira e portuguesa neste número?

Imagine só, um número infinitamente longo que codifique os sonetos de Camões, todos os heterônimos de Fernando Pessoa, incluindo os poemas simples e belos de Mário Quintana e as canções do amor demais de Vinícius e Tom.

Sim, o número de Capitu existe, e pode ser obtido pela técnica descrita. É fascinante pensar que, escolhendo um número aleatório qualquer, este número pode ter toda a obra da Língua Portuguesa codificada em seus dígitos, embora a probabilidade disto ocorrer tenda a zero.

Qual a pegadinha aqui?

A pegadinha é que o número de Capitu necessita de uma precisão infindável.

O problema não é tal número existir, e sim, armazenar o mesmo. O problema é na prática, não na teoria.

O título “Dom Casmurro” tem doze letras, incluindo o espaço. Pela minha codificação, cada letra precisa de 5 bits, então são necessários 60 bits para transmitir esta informação.

Não sei quantas palavras existem na literatura brasileira, mas é um número gigantesco. Digamos que haja alguns bilhão de letras para escrever todos os livros, dando um chute qualquer.

Ou seja, necessitaríamos de alguns bilhões de bits para registrar num papel tal número, ou seja, não conseguimos ganhar nada em termos de compressão de informação.

E se usarmos um computador para registrar o número de Capitu numa única variável (digamos, um float ou double por exemplo), será que funciona?

Não, não funciona. O que os computadores fazem é arredondar os números. Há uma precisão finita, na representação de um número real.

E pior ainda, o número de Capitu nem precisa ser real. Como a quantidade descrita é finita, podemos ter o número gigante dividido por uma potência de 10 que descreva exatamente o número.

Se quisermos codificar todas as obras da literatura universal, que já foram escritas e que vão ser escritas no futuro, não só no planeta Terra mas em todo o universo, aí sim talvez precisemos lançar mão de um número real.

Este é o poder da matemática. Há um espaço infinito numa linha reta de 0 a 1.

Isto me lembra um famoso poema, de William Blake:

“Ver um mundo em um grão de areia

e um céu numa flor selvagem,

Ter o infinito na palma de sua mão

e a eternidade em uma hora.”

001100111110010001110111110100101000010101110000001100011111001000101

Anúncios

Um comentário em “Como codificar as obras completas de Machado de Assis num único número

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s